Desobesi-M Emagrece Mesmo?

Phyto Power Caps

O Desobesi-M é um medicamento que já foi usado no tratamento da obesidade por diminuir o apetite e proporcionar a sensação de saciedade ao organismo de uma pessoa, atuando como um anorexígeno.

O remédio era comprado legalmente em farmácias somente mediante apresentação de prescrição médica. Ele poderia ser vendido por apenas R$ 20. Era encontrado também em caixas contendo 30 cápsulas.

Potente na perda de peso, relatos dizem que o Desobesi-M emagrece três quilos por semana ou até um quilo por dia de um usuário em alguns casos.

Um dos pontos que fazia com que as pessoas utilizassem o Desobesi-M para emagrecer é a facilidade de não precisar cortar os alimentos preferidos da dieta e não ter que sentir fome para eliminar alguns quilos.

Medicamento foi proibido pela Anvisa em 2011

Entretanto, em 2011, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) cancelou o registro do medicamento, proibindo assim a sua comercialização. Já no ano seguinte, determinou que todos os lotes ainda encontrados no mercado brasileiro fossem apreendidos.

A proibição aconteceu devido à presença da substância femproporex na composição do remédio, que atua diretamente sob o neurotransmissor neroadrenalina.

Antes da proibição da Anvisa

Quando ainda era possível encontrar a substância através do Desobesi-M, não era tão simples assim conseguir uma prescrição médica. É que, geralmente, ele era recomendado para quem fosse obeso, com índice de massa corpórea maior que 30, ou estivesse com sobrepeso, com o índice de massa corpórea acima de 27.

Contraindicação

Antes da proibição, além da necessidade da prescrição médica, o Desobesi-M era vendido de maneira controlada por ser um remédio tarja preta, classificação que se refere a medicamentos que oferecem danos aos pacientes que fazem uso dele.

Ainda havia uma série de restrições ao Desobesi-M: ele não podia ser usado por mulheres grávidas ou em período de amamentação, indivíduos com histórico de dependência química, pacientes com distúrbios psiquiátricos e pessoas com epilepsia, glaucoma, problemas renais ou que fossem hipertensas.

Também não era aconselhada a ingestão do remédio por mais de quatro meses. Porém, para os pacientes que tomavam o remédio há bastante tempo ou em doses altas, era indicado que a interrupção fosse feita aos poucos.

Para acompanhar o uso do medicamento, também era recomendada a prática de atividades físicas. Uma das justificativas é que quando o paciente parava de ingerir o remédio, poderia voltar ao peso anterior e até engordar mais ainda devido ao aumento de fome que a interrupção poderia trazer.

Em sites de vendas de remédios pela internet, é possível encontrar o Desobesi-M sendo comercializado. Entretanto, se a Anvisa chegou ao ponto de não permitir que o medicamento continuasse a ser vendido no Brasil, é porque os efeitos colaterais realmente são graves e oferecem prejuízos à saúde. A melhor saída para emagrecer continua sendo a união entre alimentação equilibrada e saudável e a prática de exercícios físicos.

Efeitos Colaterais

Antes de pensar que o Desobesi-M emagrece e tentar adquiri-lo ilegalmente no mercado negro, é importante conhecer os efeitos colaterais que o uso desse medicamento proibido pode causar ao organismo.

O remédio causa tremor ao paciente, deixa-o mais irritado que o normal, traz ansiedade, confusão, fraqueza e dor de cabeça. Além disso, o Desobesi-M ocasiona problemas mais complicados como arritmia cardíaca, angina (estreitamento das artérias que transportam o sangue até o coração, causando assim prejuízos ao suprimento de nutrientes e oxigênio ao órgão), hipertensão e hipotensão (baixa pressão sanguínea).

Ele ainda deixa o indivíduo com calafrios, boca seca, náusea, gosto estranho na boca, diarréia e vômito. Quando utilizado por um longo período de tempo, ele não consegue mais surtir efeito e o paciente pode ficar dependente psiquicamente do medicamento.

Femproporex

O Desobesi-M emagrece justamente por conta da presença da substância femproporex em sua composição, como seu princípio ativo. Ela faz parte do grupo das anfetaminas, que atuam no sistema nervoso central como estimulantes.

O femproporex é um anorexígeno, que além de diminuir o apetite do paciente, faz com que a sua capacidade de percepção de cheiro e sabor dos alimentos também seja menor e tenha maior ritmo para a prática de exercícios.

O princípio ativo encontrado no Desobesi-M é o grande responsável por causar alguns efeitos indesejados como dependência dos pacientes ao medicamento, por deixá-los irritados, ansiosos e sem sono, por trazer agitação, delírios, nervosismo, tremores e fazer com que eles se comportem de maneira violenta.

Os brasileiros e os remédios para emagrecer

Mesmo sendo um recurso para ser utilizado em último caso nos processos de emagrecimento, devendo vir depois da mudança de hábitos alimentares e incorporação da prática de exercícios físicos à rotina, os medicamentos que contribuem para a perda de peso fazem a cabeça da população brasileira.

Prova disso é que, de acordo com uma avaliação realizada pela empresa especializada em pesquisa de consumo Nielsen Holding no ano de 2012, 12% dos brasileiros tomam remédios para emagrecer.

A pesquisa também identificou que o Brasil é o campeão no número de consumidores desse tipo de medicamentos na América Latina. A porcentagem média de uso dessas substâncias na região ficou na casa dos 8%. Em países como a Venezuela e o Peru, a taxa ficou apenas em 4%.

Outro dado apontado pela pesquisa foi o nível de insatisfação dos brasileiros com o próprio corpo. Enquanto, 30% afirmam estar satisfeitos com o peso, 43% se consideram um pouco acima do peso e 16% acredita estar acima do peso. Ela ainda descobriu que 50% dos brasileiros busca perder peso de alguma maneira.

Outros dados da Anvisa do ano de 2009 informam que nesse ano foram vendidas mais de 67 toneladas de sibutramina, outra substância usada para perder peso.

Infecções causadas pelo Zica Vírus em Gestantes e Recém-Nascidos

O Zika vírus causa receio e muito medo na população, principalmente em gestantes ou famílias com recém-nascidos. Esse vírus é transmitido pelo mesmo mosquito responsável pela dengue, o Aedes aegypti, e pelo Aedes albopictus.

Os sintomas são semelhantes aos da dengue, mas podem ocorrer complicações graves. A mais conhecida (e temida) é a microcefalia em bebês recém-nascidos. Entenda o que é Zica vírus e saiba tudo sobre as infecções em gestantes e recém-nascidos:

O que é Zica vírus

É uma doença transmitida pele mesmo mosquito da dengue, também conhecida como ZKV. O ciclo de transmissão começa quando a fêmea deposita os ovos na água parada. 48 horas depois, as larvas saem dos ovos e ficam nessa mesma água por uma semana, até tornarem-se mosquitos.

A procriação de mosquitos é assustadoramente rápida, sendo que o seu ciclo de vida é de 45 dias. Geralmente, eles acasalam no segundo dia da vida adulta. Antes de depositar os ovos, as fêmeas precisam alimentar-se de sangue, isso significa que as chances de ser picado por um deles é imensa, principalmente próximo ao foco de criação. Após ser picado, os sintomas demoram de 3 a 12 dias para aparecerem.

Os locais mais propícios para o desenvolvimento desses mosquitos são os locais quentes. Os ovos, geralmente, são depositados em lugares quentes e úmidos, como em água parada. Eles podem “grudar” em determinadas superfícies e serem transportados por longas distâncias, esperando o local perfeito para eclodir.

Sintomas Zica vírus

Os sintomas das infecções causadas pelo Zica vírus são semelhantes aos da dengue. Sendo eles:

  • Febre alta;
  • Dor muscular;
  • Dores de cabeça;
  • Dor atrás dos olhos;
  • Erupções cutâneas;
  • Coceira nas erupções;
  • Conjuntivite, mas sem a secreção;
  • Dor abdominal;
  • Diarreia ou constipação;
  • Fotofobia;
  • Úlceras na mucosa oral.

Zika vírus em gestante

Devido ao surto de microcefalia, muitas gestantes sentem-se apreensivas com relação ao mosquito e à doença. Quando uma grávida é picada pelo mosquito, os sintomas mais comuns são:

  • Manchas no corpo;
  • Coceira;
  • Febre alta;
  • Conjuntivite;
  • Dor nas articulações.

No entanto, a maior preocupação é com o bebê, pois o vírus pode atingir a placenta, o líquido amniótico e o bebê. Isso pode causar a temida microcefalia. Contudo, nem sempre a gestante que sofreu com as infecções causadas pelo Zica vírus terá um bebê com problemas de formação.

Zika vírus em recém-nascidos

Se a mãe teve infecções causadas pelo Zica vírus na gravidez, o bebê poderá sofrer com o vírus. A consequência mais conhecida é a microcefalia, doença em que o bebê nasce com a cabeça menor do que o padrão. Vários outros problemas podem acontecer e são chamados de síndrome congênita da Zica.

Além da microcefalia, o bebê poderá sofrer com alterações cerebrais, como calcificações e ventriculomegalia. Também, é provável alterações nos olhos, na audição e no musculoesquelético.

Nem sempre, a criança nascerá com algum problema da síndrome congênita da Zika, mas, mesmo nestes casos, a criança precisará de acompanhamento médico, durante os primeiros anos de vida. Somente assim será possível avaliar se o vírus não causou nenhum outro problema que não seja tão evidente.

Como evitar infecções causadas pelo Zica vírus

A melhor maneira de evitar as infecções causadas pelo Zica vírus é a prevenção. Eliminar os focos de contaminação é o primeiro passo. Evitar água parada é uma das principais medidas preventivas, pra isso: não acumule pneus, latas, garrafas vasos de flor e outros objetos que possam juntar água. Os potes de água e comida dos animais de estimação devem ser lavados diariamente e a água trocada.

Usar roupas claras ajuda a evitar que o mosquito se aproxime, além de facilitar a observação dele. Se possível, sempre use mangas longas e calças compridas.O uso de repelentes também é recomendado, no entanto, é preciso usar corretamente, principalmente durante a gestação e em crianças pequenas. Evite viajar para locais muito quentes ou que tenham possíveis focos de contaminação.

Ao sentir algum sintoma, não se automedique e procure imediatamente um médico, para avaliação e tratamento adequados.